23 de junho de 2010




Apesar de já passar da uma e meia da manhã, a minha adorada vizinha de cima está, mais uma vez, a ralhar com os cães.
Um dia destes, ainda perco a paciência e vou lá acima dizer-lhe:

Ponto um: Não gosto de ouvi-la a ralhar com os cães;

Ponto dois: Não gosto de ouvi-la a ralhar com os cães dizendo asneiras – é que os cães desconhecem o significado das palavras mas estas irritam os ouvidos mais delicados da malta séria aqui do prédio como eu;


Ponto três: Também não gosto de ouvir em volume elevado as conversas que ela tem ao telefone (até porque só ouço um dos lados da conversa, o que me dificulta a coscuvilhice…) e em que, à semelhança dos diálogos com os cães, utiliza um número de asneiras absolutamente abismal;


Ponto quatro: Não gosto de a ouvir a subir e a descer as escadas repetidamente e com tal intensidade que tenho a sensação que é mais um sismo a abalar o país e as respectivas réplicas(um dia destes ainda vou a correr esconder-me num local mais seguro…);

Ponto cinco: Todas as anteriores são agravadas pelo facto de acontecerem predominantemente num horário em que, tal como hoje, a estimada vizinha já devia estar em recolhimento.
 
Meia dúzia de palavras, já escrita fora de horas, pelas 01:38
8 Comentários:


At quarta jun 23, 06:55:00 da tarde, Blogger R.

Trata de instruir os cães a morderem a dona. Pode ser que resulte. Se não resultar, pelo menos vingaste-te um bocadinho. :)

R.

 

At quinta jun 24, 12:13:00 da manhã, Anonymous Anónimo

dá-me, portanto, a impressão que a tua vizinha é:

ponto 1: uma espécie de vuvuzela do condomínio - muito barulhenta, irritante e... (porque não dizê-lo) estúpida.

ponto 2:...........................
............................. bom, ia arranjar mais uns quantos pontos, mas não consigo. o primeiro deve resumir tudo.

hasta

 

At quinta jun 24, 01:47:00 da manhã, Blogger Marina

Gato, ainda não tinha pensado nisso mas parece me uma óptima ideia!
Mas acho que só consigo falar língua de gato e não conseguirei comunicar com os amigos lá de cima...

Anónimo, pois que vuvuzela é um nome que lhe assenta muito bem, tal como os adjectivos que colocaste no ponto um.
E jé agora aproveito para dizer que gostei especialmente do ponto 27 (sem contar com os primeiros dois pontos).
Hasta!

 

At quarta jul 07, 03:29:00 da tarde, Anonymous Anónimo

Lindinha, esqueceste-te de que habitas solo lusitano?! Se a tua vizinha não fosse assim, ainda poderias pensar estar quiça num país minimamente evoluído, não? Essa «senhora» é um sopro de realidade no teu dia-a-dia sonhador... ;)
ASS: Iolandinha (moça com os pés no -infelizmente portuga- chão)

 

At sexta jul 09, 01:32:00 da manhã, Blogger Quando e como eu quiser

De facto há vizinhos que não têm noção que embora a casa seja só deles, partilham um espaço comum que se chama prédio! Eu acho que devias avisar, porque tens direito ao silêncio ou pelo menos a que não te perturbem.

 

At sábado jul 10, 01:38:00 da manhã, Blogger Marina

Iolandinha, bem vinda aqui ao estaminé!
Ja tinha saudades tuas!!!
Pois que aqui na Tugalândia a coisa não é rara...

Amigo "Quando...", eu só não vou lá acima porque como não costumo deitar-me cedo, a situação não costuma incomodar-me.
E pela linguagem a que estou habituada a ouvir-lhe, até tenho medo de qualquer interação com a dita vizinha!
Bem vindo aqui a este cantinho internético! =)

 

At sábado jul 17, 06:22:00 da tarde, Anonymous Sílvia

Era bem melhor morar no último andar e ter a vizinha da selva amazónica (só de me lembrar das vezes que tombei os vasos e tive que voltar atrás para limpar tudo quando já saia atrasada!)e o vizinho obeso e dispneico (lembras-te do tubo do O2 pendurado nas escadas???Ah!ah!)no andar de baixo, não era?!
Lol

 

At segunda jul 19, 02:05:00 da manhã, Blogger Marina

No outro dia cruzei-me com o vizinho do tubo de oxigenio e lembrei-me de muitas das nossas historias!
Saudades daquele 3º andar sem elevador...
Será que já vive lá alguem?

Beijinhos Silvia Cristina!
E volta sempre! =)